Aos meus avós

Em uma pós graduação stricto sensu, os textos científicos produzidos costumam seguir um template predeterminado, sejam as recomendações mais recentes descritas pela ABNT, o formato padrão de um artigo a ser publicado em um journal ou conferência, o modelo da dissertação ou tese de cada instituição de ensino… Como estamos em meio a uma pandemia de proporções sem paralelo em nossa geração, tomarei a liberdade de contar a minha história: como cheguei ao doutorado.

É atribuída ao romancista, pensador e estadista francês Victor Hugo a frase “se você quer educar um homem, comece pela avó dele”. Seguindo este exemplo, começarei com um pouco da história de meus avós. Luiz (in memoriam), meu avô paterno, veio do interior tentar a sorte em Recife, e aqui conheceu Minervina (in memoriam), minha avó materna, e casaram-se. Ambos com origem humilde, de educação formal possuíam pouco mais que a alfabetização. Tiveram três filhas e cinco filhos. Destes, duas filhas e três filhos escaparam da infância. Meus avós paternos sabiam do valor da formação mesmo sem tê-la, e todos os seus filhos foram bem mais longe no ensino que os pais. Mesmo assim, por causa dos percalços da vida, apenas dois dos cinco chegaram a prestar vestibular, e a concluir a graduação. Nenhum dos dois jamais chegou a exercer a profissão em que se graduaram. Meu pai, Ricardo (in memoriam), foi um dos três que não prestou vestibular, começou a trabalhar cedo, casou-se com Ubiracy, minha mãe, filha única de seus pais, e seguiram afastados da academia. Assim como meus avós paternos, meus avós maternos Creuza (in memoriam) e Faustino (in memoriam) também possuíam pouco mais que a alfabetização.

Sendo assim, minha origem, neste ponto, é muito parecida com a de meus pais e tios: meus pais também sabiam da importância de uma formação acadêmica consistente mesmo sem possuir uma, e incentivaram meu desenvolvimento escolar no limite de suas capacidades financeiras. Com a boa base proporcionada por eles, aos quinze anos consegui ser aprovado para fazer meu segundo grau, simultâneo à formação técnica em Eletrônica, na Escola Técnica Federal de Pernambuco, uma escola de qualidade, e gratuita. Lá fui apresentado ao mercado de trabalho, e por causa de minha formação, aos dezoito consegui meu primeiro estágio. Por causa deste estágio (e da formação), aos vinte consegui meu primeiro emprego. As responsabilidades profissionais foram se avolumando, de forma que não consegui conciliá-las com as acadêmicas. Nesta fase de minha vida, tive que colocar o lado profissional em primeiro plano, mas nunca deixei de achar que a ascensão, inclusive profissional, só viria atrelada à continuidade na trilha acadêmica. Só aos trinta consegui concluir o curso de graduação em Licenciatura em Computação na Universidade Federal Rural de Pernambuco, um curso em minha área, no período noturno, compatível com meu horário no trabalho, em uma universidade de qualidade, e gratuita. Nesta mesma época, recebi uma promoção em meu trabalho, que não seria possível, caso não tivesse visto certos conteúdos na graduação, e que não poderia ser ocupada por alguém que não possuísse uma graduação. Minha mãe até hoje mantém na sala da casa dela a minha placa de formatura individual.

Quis continuar o desenvolvimento acadêmico, e fiz uma pós graduação latu sensu em Banco de Dados. O passo seguinte naturalmente seria um mestrado, mas pouco depois fui transferido para Caruaru, o que pausou momentaneamente meus planos acadêmicos, já que entre 2013 e 2016 ainda não existia o Mestrado multicampi do PPGEC. Retornando ao Recife, no segundo semestre de 2018 consegui entrar no mestrado em engenharia da computação na POLI, em um tema que associou computação inteligente, segurança, e o combate aos malware, temas que me são interessantes tanto acadêmica, quanto profissional, e pessoalmente. E na Universidade de Pernambuco, uma universidade de qualidade, que valoriza a integração com a indústria e o mercado de trabalho, e gratuita. Defendi minha dissertação no dia 17 de fevereiro de 2020, aos quarenta anos, e pude ter a felicidade e o orgulho de NÃO ser o primeiro descendente de meus avós a ter o título de mestre: Carol, minha prima, defendeu aos vinte e seis anos sua dissertação em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Pernambuco, uma universidade de qualidade, e também gratuita. Ela é filha do meu tio Luiz (mesmo nome do pai dele, meu avô), um dos dois filhos dos meus avós paternos que conseguiram concluir a graduação. Dos descendentes de meus avós, ela foi a primeira a alcançar esta titulação, mas eu não serei o último: pelo menos mais quatro netos dos meus avós estão em algum estágio da graduação, em idade bem mais apropriada para tal que a minha. Farei tudo ao meu alcance para que as próximas gerações também sigam o caminho da educação. Eu devo isso aos meus pais e avós.

Finalmente eu entrei no doutorado, também na POLI, em um tema que é uma extensão natural do trabalho desenvolvido no mestrado. Apesar do contexto mundial causado pela pandemia, e das respostas insuficientes e conflitantes das autoridades serem uma fonte virtualmente inesgotável de stress, eu espero conseguir terminar esta etapa de minha formação com saúde, utilizando as pertinentes orientações presentes na apresentação (1) feita aos alunos brasileiros da Universidade de Münster, Alemanha, no início da jornada do doutorado, assim como eu, dentre as quais destaco: o logbook, não confiar na memória, Max Payne (ou talvez um jogo mais novo, no mesmo estilo), o bom relacionamento com os pares, com o supervisor, e consigo mesmo, por meio do uso das wonder tools. Se Brian May, apesar de todos os seus… “complicadores”, conseguiu concluir o doutorado antes dos 60, então ele vai ser a minha inspiração: conciliarei as minhas questões profissionais, familiares, pessoais e acadêmicas, e conseguirei também.

Referências

1:           Münster, Alemanha, em 30/10/2015 – General Talk to Brazilian Research Students at ERCIS “How to do a PhD stress free!”, Fernando Buarque (University of Pernambuco / WWU Münster), acessado em 07/07/2020, disponível em https://youtu.be/Oqytn2JZzhc

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *