PREPARANDO DOCUMENTOS CIENTÍFICOS

Como deve ser feito um documento científico [1]? Esta produção tem a finalidade de discutir e descrever alguns dos elementos que podem ser considerados como essenciais em qualquer documento científico, seja um artigo, uma tese, ou até mesmo uma produção de uma página.

Os componentes indispensáveis são a introdução, o referencial teórico, as contribuições, os resultados e a conclusão. Dependendo do espaço disponível, também podem fazer parte da produção um resumo na língua natal do escritor e em inglês, elementos pré-textuais como lista de abreviações, figuras, tabelas e dedicatória, e elementos pós-textuais, como as referências, anexos e apêndices.

Na introdução, que deve ser compreendida por um leitor não especialista da área, é passada a contextualização do documento. É onde o autor captura o interesse do leitor, trazendo a atenção deste ao tema a ser discutido no documento que segue. É onde aparece a finalidade do texto, a descrição do problema, seu objetivo principal e objetivos intermediários, sua hipótese, e sua justificativa. Pode conter também, caso o espaço comporte, um sumário, o escopo negativo do trabalho, e o seu Road map.

No referencial teórico deve ser inserido todo o conhecimento prévio necessário ao entendimento do problema. É nele que deve aparecer a revisão sistemática da literatura, caso o documento comporte uma. Aqui o autor ajusta o foco do trabalho, ao descrever procedimentos relacionados com sua contribuição, e por também citar trabalhos produzidos por terceiros, deve ser o componente com o maior número de referências de todo o texto. O referencial deve ser bem estruturado, evitando-se que possua a aparência de uma “colcha de retalhos”.

Na contribuição deve aparecer qual o avanço alcançado pelo autor no tratamento do problema descrito anteriormente. Isto deve ser feito de forma direta, com o uso de linguagem técnica, e com poucas referências, já que se trata do cerne do documento científico. Em suma, aqui publica-se o domínio de aplicação e o domínio teórico da contribuição apresentada.

Nos resultados, testa-se a contribuição feita no componente anterior, a fim de demonstrar-se que esta contribuição não só é reproduzível (funciona), como também é válida (funciona ao que se foi proposto). Como esta é a parte do documento em que a contribuição do autor é posta em prática, não deve aparecer nenhuma referência nos resultados.

Na conclusão do trabalho, a opinião do autor aparece novamente, assim como apareceu na introdução (e esteve fora nos outros componentes, apenas compostos de fatos científicos comprovados). Usualmente é apresentada em três partes: o resumo comentado do trabalho, com suas contribuições; uma discussão dos resultados, e suas limitações; e alguns dos trabalhos futuros relevantes, que se pretenda executar.

Para que se alcance o sucesso na criação do documento científico, é fundamental que esta mesma estrutura seguida em sua execução, também esteja presente em seu planejamento.

Referências

1:            Flórida, EUA, em 06/08/2019 – “Conversa sobre preparação de textos científicos”, Fernando Buarque, POLI, Universidade de Pernambuco, acessado em 21/07/2020, disponíveis em https://classroom.google.com/u/1/c/MTE1MjgzMjQ5MDk3/a/MTE4MTk0MjI5NTQw/details

A AMÉRICA LATINA EM BUSCA DO RECONHECIMENTO CIENTÍFICO

Mozart de Melo Alves júnior
[email protected]

A América Latina do ponto de vista do reconhecimento científico não se encontra em situação de destaque. Dados da Science and Engineering Indicators da National Science Foundation (2020), mostram que dos 20 países que mais publicam artigos científicos proporcionalmente ao número de autores, na América Latina (AL) apenas o Brasil figura em 11º posição, o que representa cerca de 60.147artigos de um total de 108.130 de toda AL o que reflete mais de 55% das publicações. Apesar de ser extremamente positivo para ao Brasil, esses dados são preocupantes com relação a América Latina.

Ao analisar a base (NSF, 2020) verifica-se, que não existe outros países latinos na lista de produções científicas, sendo os mais próximos o México na 24ª e a Argentina 42ª posição o que demonstra que um longo caminho deverá ser trilhado em busca do reconhecimento científico.

Figura 1 – 20 países que mais publicam proporcionalmente com relação aos número de autores

Fonte: (NSF, 2020)

De acordo com Centoducatte, reitor da Universidade Federal do Espírito Santo (MARLUCE MOURA, 2019), se compararmos a produção científica da américa latina, temos apenas 4,75% em relação ao mundo e este número só não é pior porque somente o Brasil é responsável por 2,52% das publicações.

Baseado nos dados estatísticos levantados anteriormente, questionamentos surgem, como é possível a América Latina ficar tão distante em termo de pesquisa dos grandes centros mundiais. Se faz necessário verificar outros indicativos para entender melhor o problema.

O primeiro indicativo trata dos recursos financeiro investido em pesquisa por estes países. Segundo o instituto de estatística da UNESCO(2018), se a américa latina fosse um país o seu investimento em P&D seria na ordem de 65 bilhões de dólares, o que se comparado com os outros países, ela ocuparia a 6º posição, atrás apenas dos EUA, China, Japão, Alemanha e Coreia do Sul. No infográfico apresentado pela howmuch (UNESCO INSTITUTE FOR STATISTICS, 2018) a seguir, percebe-se que o Brasil investe cerca de 42,1 Bilhões de dólares enquanto os demais países da América Latina investem muito abaixo disso. O questionamento que fica é como a pesquisa evolui sem investimento.

fonte:

https://howmuch.net/articles/research-development-spending-by-country

Outro indicativo, é a quantidade de publicações acadêmicas realizadas segundo com a The Centre for Science and Technology Studies (2020), temos a Universidade de São Paulo em 7º lugar mundial em quantidade de publicações, com 17,2 mil artigos indexados no Web of Science. Isso é uma posição honrosa, mas não suficiente para alavancar a média da América Latina, ao analisar os dados completos, depois da USP, só teremos na 104ª posição a universidade mexicana National Autonomous University of Mexico.

Fonte: Leiden Ranking.

Um outro indicativo trata da relevância em nossas publicações, comparando com o ranking de impacto (quantas vezes as publicações foram referenciadas), por quantidade de publicações acadêmicas, segundo a (CWTS, 2020), houve uma queda drástica do Brasil para o 90º lugar, isso significa que parte do que publicamos não é referência mundial, com relevância de apenas 5,9% dos artigos publicado.

Fonte: Leiden Ranking.

Novos questionamentos vêm à tona, o que está acontecendo de errado? Temos produções de artigos, temos investimento e por qual motivo não temos reconhecimento da relevância em nossas publicações? Como uma região tão prospera que possui suas diversidades culturais incomparáveis, pesquisadores reconhecidos no mundo inteiro, não consegue evoluir na aprovação e reconhecimento de suas pesquisas. Sabe-se que vários fatores influenciam na evolução da produção científica como: linha de financiamento, participação da iniciativa privada, políticas publicas, prioridade à educação, dentre outros, mas precisamos encontrar novos caminhos.

Infelizmente a américa latina é dividida, onde as diferenças sócio-cultural e política influenciam decididamente em nossas produções cientificas. Somente com a união e com o fortalecimento dos laços entre os países, principalmente no que tange a educação, tem como avançar e evoluir em busca de um caminho mais promissor. A educação precisa ser a prioridade, o trabalho é árduo, mas se faz necessário começar.

Referência

NSF – NATIONAL SCIENCE FOUNDATION (US). Science & engineering indicators. National Science Foundation, 2020. Disponível em: https://ncses.nsf.gov/pubs/nsb20206/publication-output-by-region-country-or-economy. Acesso em: 20 jul. 2020

MARILUCE MOURA (Brasil). Ciência na Rua. SBPC e Andifes propõem que se ofereçam informações corretas ao presidente. 2019. Disponível em: https://ciencianarua.net/sbpc-e-andifes-propoem-que-se-oferecam-informacoes-corretas-ao-presidente/. Acesso em: 19 jul. 2020

UNESCO INSTITUTE FOR STATISTICS. How Much Your Country Spends on Research & Development. UNESCO Inst for Statistics, 2018, Disponível em: http://uis.unesco.org/apps/ visualisations/research-and-development-spending/ Acesso em: 19 jul. 2020

CWTS – CENTER FOR SCIENCE AND TECHNOLOGY STUDIES (US). CWTS Leiden Ranking 2020, 2020. Disponível em: https://www.leidenranking.com/ranking/2020/list

Acesso em: 20 jul. 2020

Criação E Publicação de Texto Científico

A pesquisa científica, segundo Marconi e Lakatos (2004), é um procedimento formal com método de pensamento reflexivo, requerendo tratamento científico constituindo um caminho para conhecer a realidade ou verdades parciais. Logo, consiste na aplicação prática de um conjunto de métodos de investigação para estudar um ou vários fenômenos, levando a confirmação ou refutação das hipóteses propostas a respeito de um determinado tema. Ela se caracteriza por uma série de estágios que devem ser elaborados para alcançar os objetivos propostos de acordo com o problema que se deseja abordar.

O processo de pesquisa científica pode ser dividido em etapas, que são concluídas com a produção de um texto científico que deve ser publicado ao fim da pesquisa em canal de comuni- cação de relevância do tema estudado. Os principais meios para publicação de resultados dessas pesquisas são conferências, jornais ou revistas. No entanto, o leitor deve estar se perguntando: Qual o motivo de publicar uma pesquisa? Para Cargill e O’Connor (2013) as principais razões para a publicação são o registro da pesquisa, o reconhecimento das idéias e resultados, a atração de interesses por outros pesquisadores da área, a coleta de feedbacks de outros cientistas e a legitimação da pesquisa, ou seja, certificar os métodos e resultados do trabalho desenvolvido.

Assim como os demais estágios da pesquisa, a produção de um texto científico requer planejamento, que significa o ato de preparar uma tarefa, ou seja, estabelecer quais são os passos que devem ser seguidos para que o trabalho escrito consiga levar a informação desejada pela pesquisa ao leitor. Ou seja, além de explicar um determinado fenômeno através de métodos, a pesquisa deve ser registrada de modo claro e divulgada publicamente onde as atividades desenvolvidas sejam compreendidas para que todo a pesquisa tenha validade.

Não existe um algoritmo que determine a estrutura ideal para publicação de um trabalho científico. Podem, há um esqueleto básico para estruturação do texto que pode facilitar a sua construção e o seu entendimento, independente do tipo de trabalho. Essa estrutura, deve conter

Os textos científicos devem ser estruturados de acordo com a necessidade de informação a ser passada pelo autor. No entanto, há um esqueleto básico que pode servir de escopo para qualquer tipo de escritura científica. Nesse esqueleto deve estar contido a introdução, o desenvol- vimento e a conclusão (MARCONI; LAKATOS, 2004). Além disso, podemos acrescentar como partes também importantes o título e o resumo, que devem vir presentes antes da introdução. O desenvolvimento pode ser subdividido em três outras etapas que são a fundamentação teórica, as contribuições científicas e a metodologia.

O primeiro local que o leitor observa de um trabalho é sua capa. Assim, ela deve ser escrita de modo que descreva de modo geral o tema abordado. Enquanto no abstract é fornecido uma amostra dos principais pontos tratados no texto científico. Esses dois campos estão dentro dos elementos pré-textuais e são considerados a região mais chamativa.

A introdução ao trabalho é construída para deixar clara a finalidade do trabalho, e deve conter a identificação do problema da pesquisa de modo preciso. A orientação geral é que contenha verbos no infinitivo e deixe claro seus objetivos, os gerais e os específicos. Ao ler a introdução o espectador deve se situar em que área dom meio científico se encaixa essa pesquisa. Alguns trabalhos devem apresentar, nessa etapa, um sumário do trabalho, descrevendo o que será abordado nos tópicos posteriores.

A etapa de desenvolvimento do trabalho é dividida em fundamentação teórica, contribuições científicas e metodologia. Na primeira parte, o autor deve abordar o conteúdo teórico utilizado como base para o desenvolvimento do trabalho, de modo técnico e linear, seguindo a sequência lógica dos temas necessários para compreensão da solução proposta. A contribuição científica do trabalho é onde o autor deve propor a explicação do que foi desenvolvido no trabalho, lembrando sempre de endereçar ao problema de pesquisa e abordar quais as falhas das soluções que foram tentadas antes desse trabalho. As palavras-chave para essa etapa são “o que” e “como” foi feita a pesquisa. A ultima parte do desenvolvimento é essencial a qualquer trabalho científico deve compor a metodologia e os resultados. Nela, o autor pode comparar os resultados com os tópicos já apresentados, o uso de gráficos e tabelas são essenciais para apresentação de dados, como eles foram preparados e o que é utilizado para produzir os resultados da pesquisa, além de informar a contribuição desses resultados.

Em acompanhamento aos resultados temos a etapa de conclusões, onde todas as desco- bertas do trabalho devem ser listadas. Nessa trecho pode iniciar com um resumo comentado do texto completo e discussões compostas pela opinião racionais do autor a respeito dos resultados obtidos. Os objetivos alcançados precisam ser mostrados nessa etapa e além de explicações a respeito de objetivos não atingidos. A conclusão, juntamente com o título e o resumo serão os trechos de maior audiência da produção científica pelo público que o procurar. Então, é perceptível o nível de importância que devem ser dedicados à esses trechos.

Por fim, um bom trabalho científico deve conter todas as referências utilizadas para sua construção, que devem estar ordenadas de acordo com a citação, em caso de websites informara data de acesso. Importante mencionar o uso de artigos de revistas, quanto maior a relevância dos trabalhos referenciados, mais rico tende a ser o trabalho escrito.

A escrita de um bom trabalho científico para finalizar uma pesquisa, não é apenas a cereja do bolo, ela corresponde a cobertura completa, que irá representar todo o processo da pesquisa e deve compilar todas as informações obtidas e mostrar claramente suas contribuições para toda a comunidade.

Referências:

CARGILL, M.; O’CONNOR, P. Writing scientific research articles: Strategy and steps. [S.l.]: John Wiley & Sons, 2013.

MARCONI, M. d. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. [S.l.]: Atlas São Paulo, 2004. v. 4.

BREVES APONTAMENTOS SOBRE ESTRUTURAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO DOCUMENTO CIENTÍFICO

Existem diversos tipos de documentos científicos, os mais comuns são projetos de pesquisa, relatórios de pesquisa, monografias, dissertações, teses, livros e artigos. Em primeira análise todos vão servir para comunicar a ciência, cada um com seu propósito dentro desse objetivo maior. Eles contemplam seções que explicitam intenções, contribuições, resultados e metodologias bem definidas são esperadas em qualquer propenso documento científico. Destaca-se, contudo, que apenas quando colocados para conhecimento da comunidade e da realização de teste de objetividade (1), análise e crítica de um determinado campo epistemológico é que a contribuição do autor, pode de fato, ser aceita como conhecimento científico.

De modo geral todos os documentos científicos seguem a mesma lógica. Uma das formas de se apresentar um artigo original mais consolidadas, segundo Pereira (2011), seria pela utilização da estrutura IMRD (Introdução, Método, Resultados e Discussão). Há autores que prescrevem a utilização de uma lógica mais geral, aplicável para qualquer documento, com pequenas adaptações. Essa forma contemplaria uma Introdução, um Referencial Teórico, uma Intenção ou uma Contribuição, uma Metodologia e uma Conclusão. Esta estrutura sintética é capaz de comportar o raciocínio necessário para produção de quase todos os textos científicos segundo o professor Fernando Buarque de Lima Neto (2019). Mesmo com essa aderência morfológica é importante observar que toda área de conhecimento tem uma epistemologia e uma metodologia próprias, e que essas estruturas não são amarras e sim sugestões de organização. Estas buscam favorecer a transmissão da mensagem com o menor ruído e com a máxima organização e eficiência possíveis. 

A uniformização dos textos científicos surge como resposta à lógica do pensamento científico (2). A escrita do trabalho científico deve ser feita de forma objetiva, clara, racional e compreensível. O autor não deve utilizar um linguajar confuso ou rebuscado. É importante preservar a simplicidade, os cientistas devem escrever de forma direta e livre de verbosidades, jargões e qualquer outra estratégia que promova a distração (3). A qualidade do que é escrito, não só no conteúdo técnico, no aspecto ortográfico, verbal e gramatical do idioma escolhido pode atrair ou afastar leitores e/ou determinar o aceite ou rejeição do documento por um veículo de difusão.

Para evitar situações indesejáveis, então, cabe ao cientista concentrar esforços para ampliar o alcance ao público de seu trabalho, pois um alcance restrito pode inclusive diminuir o impacto das contribuições feitas, retardando seu conhecimento e compreensão. Isso pode impactar, inclusive, no seu reconhecimento e na sua reputação.

A demarcação da contribuição individual do autor em um lugar específico no documento proporciona organização e sinaliza para uma tentativa de neutralidade do texto científico. Nesses momentos “sua voz” tem espaço. Em qualquer outro lugar ela poderia ser vista como deslocada e inconveniente. Como pode-se notar até aqui, um documento científico deve respeitar uma organização, uma certa liturgia de momentos e descrever de forma sistematizada a contribuição científica. Isso é uma tarefa que exige um processo sofisticado e cuidadoso, dessa forma, sua estruturação e comunicação não podem ficar subordinadas ao acaso ou ao improviso. O pesquisador deve imprimir o mesmo rigor com o quê promove seus testes à elaboração dos documentos que os divulgam.

Portanto, dada a importância de se fazer ciência, de comunicá-la e de difundi-la, não se pode desconsiderar um planejamento consistente, que valorize cada parte dos documentos, endereçando adequadamente as produções ao tipo do documento, ao veículo de difusão, ao campo epistemológico, ao público potencial leitor e à comunidade como um todo. 

(1) A objetividade Kantiana concentra-se na indispensável justificabilidade do conhecimento propostamente científico. Se algo é válido cientificamente a objetividade e a fundamentação serão suficientes para convencimento dos que observam o fenômeno com o uso da razão. (POPPER, 1972)

(2) Com a padronização e uniformização o autor do texto científico fica livre para concentrar seus esforços, com menor grau de distração, na elaboração da mensagem técnica da comunicação de qualidade. (FERREIRA, 2011)

(3) “Scientists should write direct, straightforward prose, free from jargon, verbosity and other distracting elaborations.” (BARRAS, 2005)

REFERÊNCIAS

BARRAS, ROBERT. Scientists Must Write: A guide to better writing for scientists, engineers and students. Second Edition. New York: Published in the Taylor and Francis e-Library, 2005.

BUARQUE-LIMA-NETO, F. Google Classroom: Notas de aula por áudio, Preparação de documentos científicos, 2019. Recife: PPG-EC, 2020

FERREIRA, GONZAGA. Redação científica: Como entender e escrever com facilidade. São Paulo: Atlas, 2011.

PEREIRA, M. G. Artigos Científicos: Como redigir, publicar e avaliar. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

POPPER, KARL. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Editora Cultrix, 1972.

 

Produção científica e a terceira lei de newton

A terceira Lei de Newton marca a percepção do binômio ação-reação na natureza. 

To every action there is always opposed an equal reaction: or the mutual actions of two bodies upon each other are always equal, and directed to contrary parts.

(Newton Sir Isaac, 1729, p. 4)

Não existe ação sem reação e vice-versa. E isso não para por aqui, pois na natureza existem muitos outros binômios indissociáveis. Por exemplo, uma questão científica e filosófica que desafia de crianças a cientistas é a anedótica quem veio primeiro: o ovo ou a galinha? A galinha depende do ovo para existir, assim como o ovo também depende da galinha para existir; condição sinne qua non de um para existência do outro.

Existem outros binômios desse tipo nas relações humanas. Por exemplo, durante muito tempo se discutiu sobre ensinar algo a alguém. Hoje, entende-se que só faz sentido discutir ensinar quando há o aprender, portanto, é mais comum encontrar o binômio ensino-aprendizagem na literatura especializada. A compreensão desse binômio mudou a pergunta de “como se ensina” para “como se aprende”. Outro binômio interessante é o dar-receber (give-receive), um dos princípios da comunicação não violenta de Marshall Rosenberg, muito bem expresso na música de Ruth Bebermeyer:

To receive with grace

may be the greatest giving.

There’s no way I can separate the two.

When you give to me,

I give you my receiving.

When you take from me, I feel so given to.

(Rosenberg, 2006, p. 5)

Trazendo esse conceito para a produção científica, os relatórios de pesquisa (teses, dissertações e artigos) são inerentes à pesquisa. Da mesma forma que não existe relatório sem pesquisa, pode-se afirmar que não existe pesquisa completa sem um relatório – “There’s no way I can separate the two”.

Também há uma retroalimentação entre as etapas da pesquisa e os elementos constituintes do relatório. Introdução (o que e por quê), referencial teórico, contribuição/método, resultados e conclusão são as seções esperadas em um relatório de pesquisa. E também são as etapas esperadas de uma pesquisa: identificar a área, o problema e a justificativa (introdução), pesquisar o que existe na literatura (referencial teórico), propor uma solução/hipótese e um protocolo de experimentação (contribuição/método), reportar os resultados (resultados) e por fim chegar à uma conclusão. 

Outra forma de visualizar o documento relatório é como uma resposta às perguntas:

  • O quê (qual a área e o problema)?
  • Porquê (justificativa e motivação)?
  • Como (contribuição/hipótese e desenho dos experimentos para avaliação da proposta)?
  • Quais os resultados dos experimentos?
  • O que se pode concluir?

O framework dos funis invertidos do Prof. Fernando Buarque (BUARQUE DE LIMA NETO, 2019), também se aplica às questões expostas acima. A primeira questão trata de uma perspectiva mais generalista, em relação à uma área de pesquisa. A segunda pergunta afunila um pouco mais, dado que justifica e motiva para um problema em específico. Na sequência, tem-se a máxima delimitação com a abordagem de uma proposta de contribuição científica. Por fim, a conclusão volta a retomar o “o quê?” abrindo a perspectiva e situando a contribuição em um cenário mais amplo.

É preciso pontuar uma diferença entre o relatório de pesquisa e a pesquisa em si. O processo de fazer ciência, como a maioria das produções humanas, é complexo. Complexidade significa ser enovelado, com múltiplas caminhos a serem percorridos nas mais diferentes ordens. O relatório é linear. A pesquisa não necessariamente é linear, pode ter várias idas e vindas – incluindo nas questões delimitadoras e motivadoras da pesquisa. Portanto, é um desafio trazer um pouco desse pensamento linear do relatório para a pesquisa e um pouco da complexidade do processo humano para o relatório. 

Referências

BUARQUE DE LIMA NETO, Fernando. Hints for Research PhD (and other research) Students – Part 1, 1 ago. 2019. Disponível em: 

<https://drive.google.com/file/d/1x6zdG5HGTQ4MKx1GcneSJftVu9yzrsqf/view?usp=sharing>. Acesso em: 20 jul. 2020

NEWTON, Sir Isaac. The Mathematical Principles of Natural Philosophy. Londres, 1729. 

ROSENBERG, M. B. Nonviolent communication: a language of life. 2. ed ed. Encinitas, Calif: PuddleDancer, 2003. 

Escrevendo Textos Científicos Chamativos

A escrita de textos científicos é um processo, para muitos, árduo, exaustivo e não recompensador. No entanto, é um processo essencial para o avanço da ciência, como aponta Peat et al [1] seria antiético realizar um estudo e não divulgar os resultados. Mas além disso, um processo que com boas práticas pode se tornar simples.

Uma das desmotivações associadas à escrita de textos científicos envolve a enorme quantidade de publicações existentes. Como fazer seu texto ser lido? Como ter um artigo chamativo? Primordial é a realização de uma pesquisa metódica e com achados relevantes, mas mais que isso, uma boa pesquisa deve ser acompanhada de uma boa escrita para que os achados ganhem visibilidade.

O primeiro contato dos leitores com seu trabalho será sempre o título, possivelmente o único contato. Logo Booth et al [2] exaltam a importância da elaboração do título, títulos curtos mas específicos impedem que leitores sejam desapontados ao se depararem com um artigo sobre um assunto específico, é indicado que a primeira palavra de um título seja uma palavra-chave do trabalho.

Tão importante quanto o título, na captura do leitor, é o resumo. Neste, deve-se condensar todas as informações do trabalho em algumas poucas palavras. A leitura do resumo informará ao leitor se o texto possui as informações que ele busca [1]. É possível e até necessário em alguns veículos que o resumo seja explicitamente divido nas seções presentes no texto.

Talvez a maior dica para escrita de textos científicos de modo geral seja a leitura, treinar-se a identificar bons e maus textos permitirá selecionar as características que os tornam bons ou maus e utilizá-las, as boas, em sua própria escrita. Espera-se, claro, que todas as demais sessões do texto recebam a mesma atenção que as aqui citadas, mas este texto limita-se as que possuem o maior impacto inicial no leito.

Referências

[1] Jennifer Peat et al. “Scientific writing: easy when you know how”. John Wiley & Sons, 2013.

[2] Vernon Booth et al. Communicating in science: writing a scien-tific paper and speaking at scientific meetings”. Cambridge University Press, 1993.

Para que você quer que seu trabalho sirva?

Essa é a pergunta que eu faço sempre que um estudante me pergunta se posso orientá-lo na elaboração de algum trabalho acadêmico. Isso porque definir o objetivo do documento é importante para que ele seja planejado e elaborado, contemplando os elementos necessários ao alcance desse objetivo. Entretanto, conforme coloca o Professor Fernando Buarque, da POLI/UPE, os pesquisadores iniciantes nem sempre entendem com clareza que o documento científico é sempre um relatório de um trabalho que já foi feito. 

Isso é tão verdade que mesmo quando o documento é uma proposta de projeto que ainda será executado, ele contempla, no mínimo as razões pelas quais aquele projeto está sendo proposto e o subsídio técnico-científico para sua execução. Por tanto, é razoável concluir que sua elaboração só é possível porque foi feito um estudo prévio.

Estabelecido para que se destina o documento, é fundamental definir para quem ele se destina. E isso é tão importante que é o primeiro tópico trabalhado no Style Guide da OCDE. O documento, cujo propósito é orientar autores que pretendem trabalhar em publicações da organização, aborda como isso possibilita destacar a relevância do conteúdo do texto, ir direto ao ponto, passar a mensagem da forma que será mais facilmente lida, e de modo que subsidie novas ações a partir das novas informações disponibilizadas[1].

Tudo isso corrobora com conteúdos de áudios e vídeos publicados por Fernando Buarque, que reforça que o texto científico deve ser claro, em frases curtas e objetivas. Nas palavras do pesquisador, o texto científico já aborda algo que por sua própria natureza é complexo, por tanto o texto em si deve ser claro, e não rebuscado. A importância disso é evidenciada, por exemplo, em publicação recente no site do WEF, que destaca a importância da comunicação clara na luta contra a COVID-19. A autora do artigo afirma que o mundo precisa de mais cientistas que estejam dispostos a traduzir seus conhecimentos em comunicação eficaz, de modo a ajudar as pessoas a compreenderem os fatos e tomarem decisões com segurança[2].

Nesse contexto, vale ainda considerar que atualmente não se escreve somente para pessoas. Pois os textos também são lidos por computadores, e computadores também escrevem para pessoas. A compreensão desses aspectos é fundamental, por exemplo, para que pessoas encontrem conteúdos que são “lidos” e indexados por computadores, e computadores escrevam textos que ofereçam assistência a pessoas [3].

Sendo assim, verifica-se que a definição do objetivo do texto a ser escrito e o claro entendimento sobre quem irá ler são elementos fundamentais para que o documento cause o impacto esperado por quem o escreveu.

[1] OCDE, “OECD Style Guide Third Edition.pdf”. 2015, Acessado: jul. 28, 2020. [Online]. Disponível em: https://www.oecd.org/about/publishing/OECD-Style-Guide-Third-Edition.pdf.

[2] S. Sholts, “COVID-19: Never has clear science been more vital”, World Economic Forum, mar. 19, 2020. https://www.weforum.org/agenda/2020/03/science-communication-covid-coronavirus/ (acessado jul. 28, 2020).

[3] OCDE, “Writing in a Changing World”, Trends Shaping Education, 2018.